04/09/2006

Inúmanos - Volume X



Inúmanos - Volume X

Inumanos - Inteligência Natural União Maior Através de Núcleos Originários do Subterrâneo - traz o underground à tona em Volume Dez. Rio de Janeiro, século XXI. A cidade maravilhosa já não é a mesma dos tempos de Tom Jobim e no lugar dos boêmios de Copacabana, músicos da Lapa apontam outras direções. E dessa vez a direção é o hip-hop.

Juntos, os cariocas MC Aori e DJ Babão assumem a forma de Inumanos, grupo que ficou conhecido na cena local em 2000, quando realizava as primeiras batalhas de freestyle (gênero em que os MCs improvisam rimas com o fim de “derrubar” seu “adversário”) ao lado da Brutal Crew - coletivo de músicos e produtores do qual a dupla faz parte, configurando uma cena que reúne gente como Marechal e os meninos do Quinto Andar. Antes disso, ainda adolescentes, eles já se aventuravam pelo mundo da música em uma banda de rock(!) (que tocava covers de Iron Maiden!!!), o que de certa forma é elucidativo, já que uma das características da dupla é a grande variedade de samples incomuns usados em Volume Dez: de Clementina de Jesus a Black Sabbath, passando por Sérgio Mendes. Aori atua ainda como MC de apoio de Marcelo D2 e Babão já rodou o vinil pro Rappa tocar.

O álbum de estréia, considerado pelo próprio Aori “um resumo de suas vidas”, traz cenas de toda a vivência da dupla traduzidas em rimas improváveis que contracenam com colagens e batidas igualmente inusitadas em 13 faixas. Um disco de rap extremamente original que chega às lojas desprendido de qualquer tendência ou referência óbvia. Além dos próprios Inumanos, contribuíram para essa identidade sonora o beatmaker francês Damien Seth e o músico Pedro Garcia (Planet Hemp), além do coletivo Instituto, que masterizou Volume Dez e reforçou a frente Inumana.

“Montagem dos Inumanos” é um pancadão que abre o disco com batidas Miami bass e colagens muito bem sacadas do DJ Babão, que ao longo do disco todo mostra sua habilidade na manipulação dos discos de vinil (scratch). Guerrilheiro poético, da segunda faixa em diante Aori dispara todo seu leque de munição verbal em alvos móveis que vão de políticos e empresários do mundo da música a MCs oportunistas, mas sem o velho estigma “gangueiro”, comum entre a maioria dos grupos de rap. Um ótimo exemplo está em “Todo Errado”, em que Aori exercita seus dotes de MC de batalha e esculacha os falsos rappers dropando pérolas como “Teu hip hop é lento tipo um cágado/ Tu só pensa no movimento na noite de sábado/ E logo esse diálogo vai virar um monólogo/ Assim que eu virar as costas vai procurar um psicólogo”.

Já em “Monstros L.A.P.A.”, a dupla descreve um metafórico vale-tudo de criaturas monstruosas, na mesma pegada dos X-Men, evidenciando a influência do universo das HQs. Um exemplo é a rima que encerra o som: “Minha língua elástica, minha saliva soda cáustica/ De dia mero escriba, de noite criatura fantástica”.

A viagem pelo subterrâneo musical termina em “Pro Mundo”, com Aori e Max B.O. (mestre do improviso paulistano) incorporando os alteregos de “Tony Manero” e “Swing Maninho”, disparando seus estilos de rima do underground pro mundo e firmando a conexão Rio – São Paulo dessa nova cena hip-hop que brota na superfície.

O previsível mundo do rap clama por mudanças e isso é claramente uma tarefa Inumana.
Play List

1. Montagem Dos Inumanos - Intro
2. Carta Bomba
3. Brutal Crew
4. Todo Errado
5. Encontro Às Escuras
6. Cena Surreal
7. Polegar Opositor
8. Equipamento Precário
9. Monstros L.A.P.A.
10. De Volta Ao Cais
11. Pra Mim Chega
12. Pro Mundo
13. Seja O Líder

Sei que tem mó galera que não sabe qual realmente é o CD do Inumanos e esse link aqui é o CD CORRETO!!!
http://rapidshare.de/files/17537234/Inumanos_-_Volume_X.rar.html

Um comentário:

Bog disse...

muito boa a iniciativa...não pára não..
valeu abraç